A empregada doméstica não quer ter carteira assinada



O empregador doméstico pode sofrer consequências por manter a trabalhadora na informalidade.

É correto afirmar que a Lei complementar 150 de 2015 trouxe diversos benefícios para o emprego doméstico como um todo. Com a aprovação da lei, trabalhadores domésticos garantiram novos direitos como FGTS, Salário-família, Seguro Desemprego, Adicional Noturno, entre outros.

Mesmo com todos os benefícios, ainda existem empregadas domésticas que não querem assinar a carteira de trabalho. E essa atitude pode acarretar diversas consequências para o empregador doméstico.

Consequências por não assinar a Carteira de Trabalho da empregada doméstica

A maior consequência que pode acontecer com o empregador doméstico é uma ação trabalhista por não cumprir com as obrigações. Em muitos casos, o empregador pode pagar juros e correção monetária.

O especialista em emprego doméstico, Mario Avelino, explica mais sobre o assunto. ‘’ Primeiramente, o empregador doméstico deve conversar com a empregada doméstica. Informar que sem a carteira assinada, não vai poder continuar com os serviços prestados’’.

Após o diálogo, se a empregada ainda insistir em não assinar a carteira, o especialista sugere outra solução. ‘’O empregador deve desligar a empregada doméstica da sua função, pois no futuro ele pode sofrer uma ação trabalhista’’.

Processo de formalização

É essencial que a comunicação no emprego doméstico esteja sempre em primeiro plano. Para que possamos viver em plena harmonia, a conversa é a melhor solução. Existem dois tipos de situações que podem acontecer no processo de formalização e vínculos empregatícios. Entenda!

A empregada doméstica que já está trabalhando com o empregador durante um certo tempo, mas sem carteira assinada;

A empregada doméstica que pede para ser contratada sem carteira assinada.

Na primeira situação, como a funcionária já tem um histórico com a família e na função. É aconselhável que, inicialmente, o empregador assine a carteira da empregada com data retroativa, depois disso, regularize o histórico trabalhista da empregada.

Na segunda situação, o empregador deve informar que sem a carteira assinada, não vai poder contratar a funcionária, pois o risco de uma ação trabalhista no futuro é grande.

Uma vez que a empregada aceitou assinar a carteira com data retroativa ou ser contratada com carteira assinada, o empregador doméstico pode utilizar a Doméstica Legal para fazer a regularização do histórico trabalhista e também administrar todas as rotinas da nova funcionária.

Fonte: Doméstica Legal
Maria de Lourdes
Maria de Lourdes

This is a short biography of the post author. Maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec vitae sapien ut libero venenatis faucibus nullam quis ante maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec.

Nenhum comentário:

Postar um comentário